Avaliação: Ford Territory chega ao Brasil com muitos atributos e alguns deslizes

Avaliação: Ford Territory chega ao Brasil com muitos atributos e alguns deslizes

A Ford começa a sua escalada de novos SUVs no Brasil e lança o Territory, utilitário que chega importado da China para tentar “roubar” clientes de Jeep Compass e Volkswagen Tiguan – a dupla abocanha mais de 60% das vendas no segmento de médios no Brasil.

A pré-venda começou nesta sexta-feira (7) e a estreia nas lojas ocorre no início de setembro. O modelo tem duas versões: a de entrada SEL, por R$ 165,9 mil, e a topo Titanium, que custa R$ 187,9 mil. O sinal para garantir a compra é de R$ 5 mil.

Ambas são equipadas com motor 1.5 turbo a gasolina, de 150 cv e 22,5 kgfm de torque, e tração dianteira. O câmbio é automático do tipo CVT, com simulação de oito velocidades.

Os preços, segundo a montadora, são de lançamento. Ou seja, com a variação cambial e os impactos da pandemia, o Territory ficará mais salgado até o fim do ano.

Os 250 primeiros compradores receberão gratuitamente as três primeiras revisões e um ano de seguro pago pela Ford, além de ter o veículo entregue em casa e desinfetado com o serviço Ford Clean.

Ford Territory 1.5 SUV traseira
Foto: Renyere Trovão/ TrovãoMotor.com

Modelo puxa fila de novos SUVs da marca

Apresentado ao público brasileiro no Salão do Automóvel de São Paulo 2018, a novidade desembarca com a reestilização feita em maio na China.

A novidade puxa a fila de utilitários da Ford que veremos em breve pelas ruas brasileiras. Ainda chegarão dois SUVs com visual retrô e proposta off road: o Adventurer, segundo publicado pelo Jornal do Carro e previsto para o início de 2021, e o Bronco Sport; além do médio Escape, provavelmente na opção híbrida. A turma fará companhia ao EcoSport e o Edge.

Vale ressaltar que a montadora não confirmou oficialmente a vinda de nenhum deles.

A seguir as impressões do TrovãoMotor.com sobre o Territory. Avaliamos a versão Titanium, na cor marrom Roma.

Ford Territory é mais interessante ao vivo

Olhando as fotos não dá a exata dimensão de como o Ford Territory é bem resolvido no design. Nem é o tipo de visual que vai fazer as pessoas quebrarem o pescoço ao vê-lo nas ruas, pelo menos do lado de fora. Mas ele se impõe.

A grade em preto brilhante casa bem com a luz branca em led dos faróis principais e das luzes diurnas em formato de “L”, que também funcionam como setas (no tom alaranjado, claro) e ficam abaixo, na região dos faróis de neblina.

A traseira é destacada pelo contorno da iluminação em led das lanternas, ligadas por uma grossa barra cromada. É o mesmo acabamento das letras que formam o nome Territory por toda a porção central da tampa do porta-malas.

O que chama a atenção também é a linha de cintura mais baixa na frente e que vai crescendo para a traseira, acompanhada de uma fina barra cromada e que chega até o vidro detrás. O resultado é uma silhueta mais esportiva que lembra a de um sedã.

Os para-choque dianteiro e traseiro, e ainda as caixas de roda e a lateral do carro, trazem um aplique com material texturizado na cor preta, que protege a carroceria de riscos. Há outra peça na parte inferior dos para-choques, na cor prata, com a função de transmitir a sensação de maior robustez.

Pena que a bela dupla de ponteiras cromadas retangulares seja apenas decorativa. A saída única do escape fica escondida na parte inferior do veículo.

Já o interior impressiona pela sofisticação dos materiais empregados e do ambiente. Aí sim vai arregalar os olhos de quem o vê pela primeira vez. Há apliques imitando madeira e alumínio pelo painel e portas. O requinte é valorizado no tom bege claro do estofamento na versão Titanium – na SEL é em preto.

As cores da carroceria são: vermelho, azul, preto prata, marrom e branco.

Ford Territory 1.5 SUV interna
Foto: Ford/ Divulgação

Muito espaço, mas pouco porta-malas

O Territory também entrega espaço de sobra para os 5 ocupantes. Nada de os passageiros ficarem batendo as pernas nas portas e muito menos quem vai atrás tocar o joelho no encosto do banco, mesmo que o motorista tenha 1,80 m (que é o meu caso) ou mais.

São 4,58 m de comprimento, 1,94 m de largura, 1,67 m de altura e generosos 2,72 m de entre-eixos. As dimensões superam as do Compass – 4,42 m, 1,84 m, 1,66 m e 2,63 m, respectivamente. Mas ficam bem atrás do Tiguan no comprimento (4,70 m) e entre-eixos (2,79 m) – só leva mínima vantagem na largura (1,83 m) e na altura (1,65 m).

Poderia fechar com nota 10 nesse quesito se não fosse a capacidade do porta-malas. Na Titanium acomoda somente 348 litros – pouco para um SUV desse porte. O Compass carrega 410 l e o Tiguan, novamente, fica bem distante, com 710 l.

E sentimos falta da abertura elétrica da tampa do porta-malas, algo comum em veículos nessa faixa de preço.

O apoio de braço também é um generoso porta-treco, fácil de abrir e capaz de acomodar objetos grandes, como um tablet.

Conforto impera e teto panorâmico é a cereja

O novo utilitário cumpre bem o papel de oferecer comodidade a motorista e passageiros, mas poderia ser melhor não fossem alguns deslizes.

A Titanium traz o revestimento dos bancos com superfície perfurada, que favorece a melhor eficiência do sistema de aquecimento e de refrigeração do assento.

O motorista tem à disposição dez posições de regulagem elétrica do banco, porém somente na versão mais cara. Na SEL, é manual, com oito posições diferentes.

É mecânica também a regulagem para o passageiro, aí nas duas configurações, e o ajuste do volante em profundidade e altura.

Merece elogios o imenso teto solar panorâmico elétrico, de série nas duas versões, que deixa a cabine bem iluminada. A terceira janela vigia já na coluna C contribui para a sensação de amplitude do interior.

O console central elevado é outro elemento marcante que facilita o acesso aos comandos e ainda aumenta a percepção de um ambiente bem resolvido na arquitetura.

Para agradar quem busca mais sofisticação, há um sistema de iluminação configurável em sete cores – presente na Titanium –, que possibilita personalizar a cabine e potencializar a comodidade e o relaxamento.

O pecado é uma falta de uma segunda zona de temperatura do ar digital para os ocupantes traseiros. Há somente a ventilação.

Multimídia com tela dividida por quadrante

O conjunto de telas de visualização no Territory vale um capítulo à parte. É o que chancela toda a tecnologia disponível no carro. A central multimídia chamada de SYNC Touch é rápida e intuitiva e desenvolvida exclusivamente para o Brasil e mercado sul-americano.

Com tela sensível ao toque de 10,1” – a maior da categoria –, ela é dividida em quatro quadrantes e oferece três opções de personalização (25%, 75% e 100%). Basta um simples toque para navegar entre as telas e controlar várias funções, como ar-condicionado, climatização dos bancos, telefone, áudio e a luz de ambientação. A alta definição das imagens propicia uma ótima visibilidade.

É a primeira central da categoria no país a oferecer conexão sem fio com o Apple CarPlay, enquanto o Android Auto permanece só no cabo. Os acesso podem ser via comandos de voz.

Outro novidade é o carregamento sem fio para celular no console, com a tecnologia que permite a recarga em 5 W ou
no modo de carga rápida, com até 15 W.

A cabine conta ainda com quatro entradas USB: três na frente (duas no console e uma junto ao retrovisor) e uma na traseira.

Câmera 360º garante segurança

Ford Territory 1.5 SUV câmera 360
Foto: Renyere Trovão/ TrovãoMotor.com

Outra exclusividade do Territory frente aos rivais diretos é a câmera 360° com visualização panorâmica. Quatro câmeras, localizadas na dianteira, na traseira e embaixo dos retrovisores, criam uma vista aérea simulada do entorno do veículo, de alta definição.

Isso aumenta a segurança, especialmente em paradas de semáforo ou na hora de estacionar. O recurso é acionado sempre que a ré é engatada, ou em velocidades abaixo de 30 km/h.

Também é bastante útil para quem tem filhos pequenos ou animais, aumentando a tranquilidade nas manobras em garagens.

Painel digital com três modos de visualização

O quadro de instrumentos é mais um item que agrega requinte ao interior. Pelo menos na Titanium. São três modos de visualização para quebrar a rotina do motorista no trânsito.

O modo Clássico exibe dois mostradores redondos com ponteiros para conta-giros e velocidade. No modo Esportivo, os dois mostradores são digitais, com números grandes, facilitando a leitura das rotações. E o modo Fashion exibe um único medidor redondo de velocidade, combinando ponteiro de tipo analógico e marcação digital.

Na SEL, o painel é analógico, com tela colorida de 3,5”.

Motor 1.5 turbo dá conta do recado

Ford Territory 1.5 SUV motor
Foto: Renyere Trovão/ TrovãoMotor.com

Na consulta feita pela Ford com clientes de SUV médio, a motorização não ocupava as primeiras posições no ranking de prioridades. Design, tamanho e conforto apareceram à frente.

Talvez por isso a marca preferiu manter o mesmo propulsor 1.5 turbo EcoBoost GTDI que equipa o modelo lá na China (um primo distante da família EcoBoost, que esteve por aqui no Fusion e Fiesta).

Ele vem com intercooler, injeção direta de combustível e comando de válvulas variável acionado por corrente.

Rende 150 cv a 5.300 rpm e 22,9 kgfm de torque a partir de 1.500, com uma entrega linear até 4.000 rpm. Números que são suficientes para uma família que enxerga o carro somente como um meio de transporte na cidade e de passeio nos fins de semana. Sem exigir tocadas mais ariscas e comportamento esportivo.

A potência e a força se mostraram sob medida pela proposta do veículo durante a avaliação pelas ruas de Curitiba e em rodovias.

Não senti apatia nas arrancadas de semáforos e cruzamentos ou falta de força em subida ou ultrapassagens nas estradas. O presença do turbo compensa o motor menor.

É claro que o câmbio CVT, por natureza, não tem a mesma esperteza de uma transmissão automática convencional. No entanto, ele vem acoplado a um conversor de torque hidráulico, que possibilita ao propulsor trabalhar sempre no regime ideal.

Ford Territory 1.5 SUV câmbio
Foto: Renyere Trovão/ TrovãoMotor.com

Silêncio a bordo, mas o barulho surge nas acelerações

Em velocidade cruzeiro, na faixa de 100 km/h a 110 km/h, o silêncio impera na cabine, graças ao ótimo isolamento acústico. Mas se o pedal do acelerador é pressionado com mais vigor, surge o incômodo do barulho vindo debaixo do capô.

Se você quiser motor cheio nas ultrapassagens e retomadas de velocidade, terá de conviver com os urros do motor. Agora se faz o tipo motorista que só vai na boa, com o tempo saberá dosar as pisadas para uma condução suave na estrada.

Ah, o modo Sport ajuda a entregar mais agilidade, com o giro lá em cima.

Já na cidade, a transmissão teima em segurar demais o veículo nas descidas, mantendo o giro elevado e, consequentemente, fazendo o motor gritar. É preciso recorrer às trocas manuais na alavanca de câmbio para minimizar o desconforto. Um ausência sentida, e que também poderia aliviar isso, são as borboletas (paddle shift) atrás do volante.

Ford Territory 1.5 SUV frente
Foto: Ford/ Divulgação

Suspensão calibrada para o Brasil

O zero a 100 km/h ocorre em 11,8 segundos e a velocidade máxima é de 180 km/h, o que carimba uma condução sem pressa ao volante do Territory (que pesa 1.632 kg). Os rivais Compass 2.0 Flex e Tiguan 1.4 turboflex são mais rápidos: 10,6 s e 9,5 s, respectivamente.

Tanto em trecho urbano quanto rodoviário, o rodar é prazeroso. A direção elétrica oferece respostas rápidas de comando, enquanto que a suspensão (McPherson na dianteira e Multilink na traseira), assimila muito bem as imperfeições da via.

A Ford informa que houve alterações na suspensão para o mercado brasileiro, além de um trabalho de engenharia para aprimorar a dinâmica, vibrações, ruídos, calibração e a durabilidade do motor e da transmissão.

A estabilidade é outro ponto alto. Aceleramos forte nas curvas de alta e em nenhum momento o carro esboçou sair do traçado e dar a  sensação de perda do controle da direção. 

Consumo não é o forte

Para transportar 1.632 kg de peso, o motor menor é exigido mais. Por isso, o consumo é apenas razoável. Registrou uma média de 9,3 km/l na cidade, subindo para 10, 5 km/l na estrada. Valores próximos aos divulgados pela Ford: 9,2 km/l (urbano) e 10 km/l (rodovia).

Ford Territory 1.5 SUV lateral
Foto: Renyere Trovão/ TrovãoMotor.com

Tecnologias de segurança e condução

A oferta de tecnologia de segurança e auxílio à condução é outro trunfo que a Ford se agarra para fazer o Territory deslanchar. Cabe à versão Titanium, mais uma vez, entregar o pacote completo.

Além da câmera 360° de visão panorâmica já citada, há ainda piloto automático adaptativo com stop & go (mantém o recurso ativo nas paradas até 3 segundos), sistema de alerta de colisão e frenagem autônoma de emergência, monitoramento de ponto cego e aviso de mudança de faixa.

A lista inclui também o sistema de estacionamento automático em vagas horizontais e paralelas, porém não funciona para saída de vagas.

Principais itens de série

Ford Territory 1.5 SEL

R$ 165,9 mil

  • direção elétrica
  • faróis, lanternas e luzes diurna em led;
  • rodas de liga aro 17″;
  • volante em couro;
  • console central elevado com porta-objetos e descansa-braço;
  • bancos com revestimento premium na cor preto;
  • banco do motorista com ajuste manual em oito posições;
  • 6 airbags (frontais, laterais e cortina);
  • teto solar panorâmico;
  • ar-condicionado digital com saída para os bancos traseiros;
  • central multimídia SYNC Touch, com tela HD de 10.1″, conexão Apple CarPlay sem fio e Android Auto (por fio), comando de voz;
  • 3 entradas USB frontais (1 para transferência de arquivo + recarga e 2 para recarga);
  • entrada USB (recarga) para o banco traseiro.
  • espelho retrovisor interno antiofuscante;
  • assistente de partida em rampa;
  • sensor de monitoramento de pressão dos pneus;
  • freios a disco nas quatro rodas;
  • chave com sensor de presença: acesso inteligente e partida sem chave;
  • câmera de ré;
  • sensor de ré;
  • piloto automático;
  • antena tipo barbatana de tubarão;
  • aerofólio traseiro;
  • quadro de instrumentos analógico com tela colorida.

Ford Territory 1.5 Titanium

R$ 187,9 mil

Acrescenta

  • teto pintado em preto;
  • bancos dianteiros com aquecimento e resfriamento;
  • bancos parcialmente em couro e revestimento premium em bege;
  • luz ambiente configurável em 7 opções de cores;
  • fechamento global de portas, vidros e teto solar;
  • banco do motorista com ajuste elétrico de 10 posições;
  • rodas de liga aro 18;
  • sistema de alerta de colisão e frenagem autônoma de emergência;
  • sistema de monitoramento de ponto cego;
  • sistema de aviso de mudança de faixa;
  • câmera 360º com visualização panorâmica;
  • painel de instrumentos digital com com tela colorida HD de 10″ com três modos de configuração;
  • piloto automático adaptativo com stop and go;
  • sistema de estacionamento automático;
  • carregador sem fio para celular;
  • acendimento automático dos faróis;
  • sensor de estacionamento dianteiro (além do traseiro);
  • sensor de chuva;
  • sistema de som com oito alto-falantes.
Clique e siga no Instagram

App localiza o carro, dá a partida e liga o ar à distância

O Territory bem que poderia dar a partida e climatizar o ambiente de forma remota pela chave. Em vez disso, a Ford optou por colocar essas e outras funcionalidades num aplicativo de celular, o FordPass Connect. O modelo estreia essa modalidade da Ford no Brasil, integrando o já disponível FordPass.

Com um modem embarcado, o SUV também pode ser monitorado à distância nas duas versões. Por exemplo, é possível checar o nível do combustível, a quilometragem e pressão dos pneus, receber alertas de acionamento do alarme e de funcionamento do veículo. E ainda encontrar a localização dele num estacionamento ou na rua.

O app também avisa se o veículo apresentar algum defeito enquanto está sendo dirigido por uma outra pessoa, informando a gravidade do problema e os passos para resolvê-lo. E caso o alarme perimétrico é disparado, uma notificação é enviada imediatamente para que se possa acionar a segurança do local.

O FordPass Connect será ofertado gratuitamente durante o primeiro ano de uso. Ele dá acesso também ao manual do proprietário digital e à possibilidade de agendar revisões e serviços nas concessionárias da marca.

Resumo das funcionalidades:

  • partida remota com acionamento automático do ar digital;
  • travamento e destravamento remoto;
  • alerta de acionamento do alarme no celular;
  • sistema de localização do carro em estacionamento e ruas;
  • status do veículo (autonomia, pressão de pneus, nível do combustível;
  • alertas de funcionamento do veículo.

Parcelas pela metade até 2022

Para fomentar a procura pelo Territory, a Ford oferece planos e taxas especiais de financiamento, que incluem parcelas pela metade. O cliente paga parcelas de R$1.631 até fevereiro de 2022, seguidas de 32 parcelas de R$3.263, e ainda tem 90 dias de carência para o primeiro pagamento. A taxa de juros nesse plano é de 1,15%, com entrada de 50%.

Outra opção é o financiamento em 18 parcelas de R$ 5.620, com a taxa especial de 0,79%. O cliente ainda tem 30 dias para pagar a primeira parcela e a entrada é de 50%.

Blindagem

O cliente também tem a opção de blindar o veículo e incluir o seu valor no financiamento. O serviço é feito pela Leandrini Blindagens, blindadora premium homologada, preservando a garantia original do veículo.

A blindagem nível 2 3-A, com vidros AGP B33, inclui cinco anos de garantia para o material de blindagem (aço, manta e vidros). A valor é de R$ 65 mil para teto opaco e R$ 75 mil para vidro panorâmico.

VEJA TAMBÉM

Leave your Comments